Leasing, Factoring e Renting impulsionam a tesouraria do tecido empresarial português, economia verde e novas formas de mobilidade

LISBOA, 4 de dezembro de 2020 - Os produtos de Leasing, Factoring e Renting têm vindo a posicionar-se enquanto drivers inequívocos de crescimento económico em Portugal e na Europa. A resiliência demonstrada ao longo dos últimos anos reforça a sua importância futura e faz antecipar uma resposta positiva ao contexto desafiante de pandemia por Covid-19.

Os três produtos têm vindo a apresentar um desempenho assinalável ao longo dos últimos anos, aponta o estudo “Financiamento Especializado e a Economia Portuguesa”, desenvolvido pela Deloitte em parceria com a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF). O Leasing Automóvel registou um crescimento anual de 26% desde 2013 até 2019, maioritariamente impulsionado pelo segmento de empresas; o Renting observou um crescimento médio anual de 12% a partir de 2013 até 2019; e o Factoring apresentou em 2019 o maior nível de produção da década, sendo de destacar o contributo da vertente internacional, sobretudo Factoring de Exportação, que entre 2010 e 2019 aumentou aproximadamente três vezes.

A análise levada a cabo pela Deloitte ressalva ainda a importância dos produtos de financiamento especializado na economia em 2019. No ano transato, a produção de Leasing representou 20,3% do número total de novas matrículas vendidas em Portugal e 8% do investimento em Portugal, com os veículos adquiridos em Renting a representarem 14% das novas matrículas e os créditos tomados em Factoring a apresentarem um peso de aproximadamente 16% do PIB nacional.

O estudo aborda a evolução histórica dos produtos de Leasing, Renting e Factoring, o que representam para a economia e quais as tendências futuras, e contempla ainda a perspetiva dos Associados da ALF, que representam quase 100% dos setores em análise. Tendo em conta as características intrínsecas destes produtos, é destacada a sua importância para o tecido empresarial e para a economia portuguesa, sendo essencial que tanto o enquadramento legal como as instituições associadas da ALF potenciem essas especificidades. Segundo os Associados, existem duas tendências a sublinhar: uma elevada propensão para o desenvolvimento da componente digital; e uma evolução da oferta no sentido de reforçar a capacidade das Instituições em responder de forma efetiva e personalizada às necessidades e exigências dos Clientes.

O estudo refere ainda que os setores de Leasing, Factoring e Renting assumem um papel fundamental para o futuro da sociedade, nomeadamente na contribuição para a gestão da tesouraria das empresas portuguesas, para o futuro da mobilidade, para a sustentabilidade ambiental e inovação e como impulsionador para a transição para uma economia verde e circular.

Em Portugal, a procura por soluções de mobilidade partilhada tem vindo a aumentar, considere-se como exemplo o conceito de Mobility as a Service implementado em Cascais, podendo o financiamento especializado desempenhar um contributo de relevo na realização dos respetivos investimentos.

Paralelamente, estes produtos revelam ter um impacto relevante na redução da pegada ambiental associada aos transportes rodoviários, facilitando a transição para frotas ecologicamente mais eficientes, movidas por energias não combustíveis e com menor desgaste. O compromisso de alcançar a neutralidade carbónica em 2050, bem como o objetivo de desenvolvimento de uma Economia Circular em Portugal, carece também naturalmente de um conjunto de investimentos relevantes, que pela sua natureza poderá ser suportado por produtos de financiamento especializado.

«Os últimos anos têm sido marcados pela afirmação de algumas tendências de transformação da economia e da sociedade. Prevemos que o financiamento especializado desempenhe um papel crucial como agente desse mesmo processo de transformação, nomeadamente na progressiva transição para a eletrificação de frotas, na adoção de fontes energéticas mais sustentáveis para o processo produtivo da economia, na disseminação de novas soluções de mobilidade, na transferência gradual para uma economia circular e verde, e no progresso para a Indústria 4.0.», explica Bernardo Ferrão, Associate Partner da Deloitte.

«Não alavancar estes instrumentos em benefício da economia Portuguesa, é um desserviço que se faz ao país; e esperamos que este Estudo seja uma mais-valia não só para a ALF e para os seus Associados, mas também para todos os agentes económicos e ainda para as entidades públicas que legislam e decidem sobre o rumo futuro de Portugal.», afirma Alexandre Santos, Presidente da ALF.

 

Pode consultar o estudo na íntegra aqui

 NOTÍCIAS